Humaniza Mundo

Desenvolvendo Pessoas

Visão

O Amor pela humanidade vencendo barreiras para cuidar deste ser integral Humano. Humaniza Mundo é um negócio social onde temos a visão de mudar o mundo através da inovação e tomada de atitude. Abrimos espaço para que idéias possam ser desenvolvidas em consonância com as constantes mudanças econômicas e necessidades mundiais.

  • Brazil - Bolívia - Argentina.
  • +59170946060
  • humanizamundo@gmail.com
  • www.humanizamundo.com.br
Me

Humaniza Mundo Idéias

Temos o prazer de desenvolver pessoas nas diversas áreas da vida.

Desenvolvimento Pessoal 100%
Motivação 100%
Psicologia Online 100%
Filantropia e Negócio Social 100%

Cursos Humaniza

Aqui você tem uma lista de cursos e workshops disponibilizados por nossa plataforma para capacitação em diversas áreas e em parceria com universidades de todo o Mundo.

Psicologia Online

Ter um atendimento em Psicologia online é importante para você lidar com problemas do dia a dia. Nós temos em nossa plataforma Psicólogos prontos para atender nessa modalidade.

Doação

Agora pode doar para hospitais e outras causas diretamente em nossa plataforma. Veja as instituições e causas nas quais o Humaniza Mundo repassa doações.

Orientação Profissional

Está em Dúvida sobre qual área deseja seguir sua carrera profissional? Nossa plataforma pode te auxiliar a encontrar sua idéia de vida.

Sistema Coach

Na Plataforma Humaniza Mundo você tem acesso a uma lista de profissionais em Coach para ajudar a trabalhar e desenvolver suas habilidades.

Eventos e Ações Humaniza Mundo - Seja Voluntário

Aqui você fica atualizado dos próximos eventos do Humaniza Mundo e Informações de como se tornar um voluntário HMX World.

0
completed project
0
design award
0
facebook like
0
current projects
  • Começa hoje a segunda fase da vacinação contra o sarampo

    Pessoas na faixa etária de 20 a 29 anos de idade são o alvo principal

    Resultado de imagem para Começa hoje a segunda fase da vacinação contra o sarampo"

    A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo começa nesta segunda-feira (18) em todo o país. As pessoas, na faixa etária de 20 a 29 anos de idade, são o alvo desta etapa.

    De acordo com o último boletim epidemiológico sobre sarampo do Ministério da Saúde, esta faixa etária é a que mais acumula número de casos da doença. Nos últimos 90 dias de surto ativo, foram confirmados 1.729 casos em pessoas de 20 a 29 anos.

    O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, disse que um dos motivos é que esse público não tomou a vacina em nenhuma fase da vida e, se tomou, não voltou para aplicar a 2ª dose, necessária para a proteção.

    Para atingir essa faixa etária, o ministério adotou algumas estratégias. Uma delas é a realização da segunda fase da campanha de vacinação em locais de grande circulação dessas pessoas. A ação será realizada em conjunto pelas três níveis de governo: federal, estadual e municipal.

    Por Agência Brasil Brasília | Edição: Aécio Amado
  • Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, alerta Inca

    Tânia Rêgo/Agência Brasil

    Doença mata 14 mil brasileiros por ano

    Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, doença que é a segunda principal causa de morte por câncer de pessoas do sexo masculino no país – cerca de 14 mil óbitos por ano. Os dados, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), servem de alerta para que os homens não deixem a saúde de lado. Apesar do alto índice da doença, o levantamento mostra que metade dos brasileiros nunca foram a um urologista.

    “Infelizmente ainda há muito bloqueio por parte do público masculino em relação ao exame do toque retal. Felizmente, isso tem melhorado um pouco ao longo dos anos. Associado a esse tabu, de ser um exame um pouco mais evasivo, de mexer com a parte da sexualidade masculina, o homem acaba ficando com um pouco mais de receio de ir ao médico”, ressalta Felipe Costa, médico urologista do Hospital do Homem, na capital paulista.

    Próstata aumentada - Divulgação/Sociedade Brasileira de Urologia

    O câncer de próstata, assim como a pressão alta e o diabetes, é silencioso. De acordo com o médico, a única forma segura de se precaver em relação à doença é a consulta clínica. Homens a partir dos 50 anos devem realizar o exame anualmente.

    “Há grupos com fator de risco maior para o câncer de próstata: são os negros e aqueles indivíduos que têm história na família com câncer de próstata abaixo dos 60 anos. Para essas pessoas, a partir dos 40 ou 45 anos, eles já devem ter um acompanhamento direcionado para diagnosticar a doença”, ressalta o médico.
    Doença lenta

    O câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce lentamente, não causa sintomas e, no início, pode ser tratado com bastante eficácia. Em outros casos, no entanto, pode crescer rapidamente, espalhar-se para outros órgãos e causar a morte.

    “O exame é extremamente rápido, é feito com anestésico local, de uma forma que provoque menos incômodo para a pessoa. Ainda hoje é uma das formas mais seguras e eficientes que a gente tem para poder diagnosticar o câncer de próstata na forma mais inicial”, destaca o médico.

    Além do exame preventivo, os médicos recomendam que sejam evitados outros fatores, já conhecidos facilitadores da doença, como alimentação pobre em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais; sedentarismo, consumo de álcool e tabaco.

    Segundo o Ministério da Saúde, estimativas apontam que ocorreram 68.220 novos casos da doença em 2018. Esse número corresponde a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens.

    A próstata é uma glândula presente apenas nos homens, localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra (canal por onde passa a urina). A próstata não é responsável pela ereção nem pelo orgasmo. Sua função é produzir um líquido que compõe parte do sêmen, que nutre e protege os espermatozoides. Em homens jovens, a próstata possui o tamanho de uma ameixa, mas seu tamanho aumenta com o avançar da idade.

    Por Bruno Bocchini – Agência Brasil | Edição: Wellton Máximo
    Editor Local Saúde: Willen Benigno de Oliveira Moura
  • Hospital brasileiro realiza tratamento inédito no SUS para câncer no fígado

    Utilizando uma técnica conhecida como radioembolização, uma equipe do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, no interior de São Paulo, conseguiu reduzir um tumor cancerígeno de um paciente.

    Resultado de imagem para Hospital de Botucatu realiza tratamento inédito no SUS para câncer no fígado"

    Inédito no Sistema Único de Saúde (SUS) e ainda em fase de pesquisa, o procedimento pode ajudar no tratamento do câncer hepático.


    Sendo este um projeto de pesquisa, o tratamento ainda não pode ser oferecido a todos os pacientes, mas significa um avanço no controle de tumores no fígado.


    A nova técnica trata tumores e metástases hepáticos através de radiação. O processo consiste em injetar princípios radioterápicos diretamente no tumor, através da artéria hepática.


    “O procedimento não é curativo, porém pode causar uma redução considerável no tamanho do tumor, evitando que ele cause mais danos ao paciente portador dessa condição patológica”, explica o médico Fernando Gomes Romeiro, docente de Clínica Médica e autor do estudo.

    Com informações de Isto é | CONTI OUTRA
    Editor Local de Saúde: Willen Benigno
  • Saúde lança campanha para prevenir a obesidade infantil

    Marcello Casal Jr./Agência Brasil

    Alimentação saudável e atividade física são algumas recomendações

    O Ministério da Saúde lançou a campanha 1, 2, 3 e já! Vamos prevenir a obesidade infantil. A ideia é incentivar as crianças a seguirem três passos simples para evitar o sobrepeso: alimentação saudável, atividade física e brincadeiras longe das telas da TV, celular e jogos eletrônicos.

    O lançamento ocorreu durante a abertura do 15° Encontro Nacional de Aleitamento Materno (Enam) e o 5° Encontro Nacional de Alimentação Complementar Saudável (Enacs), no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova, região central do Rio de Janeiro.

    Na cerimônia de abertura, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, destacou que o país tem evoluído na regulamentação da indústria e propaganda e no incentivo à alimentação saudável.

    “Somos de uma geração em que a propaganda dizia: 'Danoninho vale por um bifinho'. Daquele marco, inicia-se uma reação da sociedade e organização para pensar e debater se aquela frase tinha algum fundo de verdade. Hoje, ela fica na prateleira da vergonha da propaganda. Era um Conar [Conselho Nacional Autorregulamentação Publicitária] que não existia, uma regulamentação que não existia.”

    Segundo Mandetta, o problema é um “verdadeiro drama” e o fenômeno é global. Dados do ministério apontam que três de cada 10 crianças de 5 a 9 anos atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) estão acima do peso, um total de 4,4 milhões. Do total de crianças, 16% (2,4 milhões) estão com sobrepeso, 8% (1,2 milhão) com obesidade e 5% (755 mil) com obesidade grave. Abaixo de 5 anos, são 15,9% com excesso de peso.

    Ideia é incentivar crianças a seguirem alimentação saudável e brincar longe da s telas da TV, celular e jogos eletrônicos - Fernando Frazão/Agência Brasil

    O ministro informou que a campanha será multimídia e vai utilizar datas como o dia das mães para trazer o assunto à tona ao longo de 2020. De acordo com ele, os cursos para agente comunitário de saúde também vão incluir o tema da amamentação, dentro da campanha de prevenção à obesidade.

    O embaixador da campanha, o preparador físico Marcio Atalla, disse que a obesidade infantil é um problema sério e que existem diversos obstáculos a serem vencidos, como a facilidade de acesso a alimentos ultraprocessados e as dificuldades impostas pela falta de tempo no cotidiano das famílias.

    “Essas crianças, tendo uma saúde debilitada agora, com sobrepeso e obesidade, têm o risco de ter câncer aumentado em 40%, e maior risco de doença cardiovascular. São as enfermidades que mais têm prevalência dentro do sistema de saúde. Então, uma campanha contra a obesidade infantil é de extrema importância para a saúde no futuro, em um país que vai envelhecer e vai depender do sistema público de saúde”.

    Além do Enam e do Enacs, o Centro de Convenções SulAmerica recebe simultaneamente a 3ª Conferência Mundial de Aleitamento Materno (WBC) e a 1ª Conferência Mundial de Alimentação Complementar (WCFC). As encontros, que começaram nesta quarta-feira (13) terminam neste sábado (15).

    Pesquisa nutricional

    A coordenadora geral de Alimentação e Nutrição do Ministério, Gisele Bortolino, destacou que o órgão iniciou, neste ano, o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani). O levantamento já foi finalizado em 11 estados, com 143.330 domicílios visitados. Os primeiros resultados serão apresentados no segundo semestre de 2020.

    “O objetivo é avaliar o estado nutricional das crianças e as deficiências nutricionais. O último inquérito, de 2006, mostrava a prevalência de anemia de 20% e hipovitaminose de 17%. Então, esse inquérito tem o objetivo não só de ver a questão do excesso de peso, mas também o estado nutricional e, a partir disso, fazer a discussão das políticas para as questões encontradas.”

    De acordo com o ministro, a pesquisa é o “marco zero” para a implantação de políticas públicas. “Esses números vêm de fontes indiretas, por isso autorizamos esse inquérito. Ele vai me dar o marco zero: quantas crianças são, onde estão, quanto é por região, dentro das regiões quais são os motivos principais. Tem região que é sedentarismo, outras é alimentação equivocada”.

    Guia alimentar

    Outra iniciativa, complementar à campanha e dentro dos eventos de amamentação, foi o lançamento de um guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Segundo os dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) 2018, 49% das crianças de 6 a 23 meses consomem alimentos ultraprocessados, 33% ingerem bebidas adoçadas e 32,3% comem macarrão instantâneo, salgadinhos de pacote ou biscoitos salgados.

    Segundo Gisele Bortolino, o guia foi organizado para indicar a alimentação mais correta pelo nível de processamento dos alimentos e traz como regra de ouro “descasque mais e desembale menos”. Os alimentos são classificados em in natura, minimamente processado, ingredientes culinários processados, processados e ultraprocessados.

    “O guia foi atualizado com linguagem mais simples, voltado para tirar as dúvidas das famílias. Os anteriores eram direcionados a profissionais de saúde. Ele inova ao trazer um capítulo sobre culinária e mostra que a chegada de uma criança deve ser uma oportunidade para unir a família, se organizar e cozinhar alimentos mais saudáveis em casa. Também foram incorporadas as crianças vegetarianas”.

    Com 12 passos para uma alimentação saudável, o guia traz dicas como a amamentação exclusiva até os 6 meses e complementação até 2 anos ou mais; não expor as crianças de até 2 anos ao açúcar nem a alimentos ultraprocessados, oferecer a mesma comida de toda a família e proteger a criança da publicidade de alimentos.

    Amamentação

    Os quatro eventos simultâneos que tratam do aleitamento materno e alimentação complementar trazem como tema “Amamentação como um direito humano a ser protegido”. O evento terá palestras, debates e apresentações de trabalhos científicos até sexta-feira (15).

    Na mesa de abertura, a presidente da edição da Conferência Mundial, Marina Ferreira Rea, lembrou que os profissionais de saúde já sabem que caminhos seguir para evitar doenças na infância e incentivar a alimentação saudável, portanto não devem ser “cúmplices” de erros.

    “Em meio a tantas dificuldades que tem o planeta e tantas diversidades, contrastes sociais e econômicos, as ações que discutiremos aqui são, diferentemente de outras, factíveis. Sabemos disso. O desafio de saber nos torna cúmplices. Somos cúmplices quando não levamos a criança ao seio materno na primeira hora de vida ou quando a separamos da mãe sem necessidade.”

    A presidente do encontro, Maria Ines Couto Oliveira, afirmou que amamentar é um direito humano e representa a democracia com as pessoas e o planeta.

    “Todos os companheiros de todas as raças e todas as etnias têm o direito de amamentar. Esse direito não pode ser negado por ninguém e por nenhuma indústria de alimentos infantis ou de bicos ou chupetas. Nenhuma tem o direito de tirar o peito da boca das crianças, porque isso é vida. Só haverá democracia nesse planeta se a mãe tiver o direito de aconchegar seu filho no seu peito e nesse momento proporcionar amor”.

    O encontro reúne cerca de 2.500 pessoas, entre profissionais de saúde, governantes, cientistas, grupos de mães, organizações da sociedade civil, agências das Nações Unidas, organismos internacionais e estudantes.

    O objetivo é construir uma plataforma de ação pelo compartilhamento de experiências com atores comprometidos o tema.

    Por Akemi Nitahara – Agência Brasil | Edição: Maria Claudia
    Editor Local Saúde: Willen Benigno de Oliveira Moura
  • Atriz descobriu câncer depois de branqueamento dentário

    A atriz Heloísa Périssé foi entrevistada pelo médico Drauzio Varella no Fantástico do último domingo, 10. Na ocasião, ela falou sobre o seu enfrentamento de um câncer nas glândulas salivares e revelou que descobriu que tinha câncer depois de realizar um procedimento de branqueamento dentário. “Quando eu mostrava às pessoas eu tinha uma bolinha, elas diziam ‘isso não é nada, não’”.

    Resultado de imagem para Heloísa Périssé descobriu câncer depois de branqueamento dentário"

    Drauzio Varella pediu detalhes do sinal à atriz: “doía?”, “sangrava?”, Heloísa respondeu que não para os dois casos. “Eu falei pro meu dentista, que é meu sobrinho, ‘vou fazer um branqueamento de dente’. Ele disse ‘a gente aproveita e tira essa bolinha’“. O tecido foi levado à biópsia por ser protocolo comum a esse tipo de procedimento. “É 1% de chance de ser alguma coisa, relaxa”, disse o profissional.

    Diagnosticada a lesão, a atriz foi submetida a uma raspagem para ter a garantia de que ao redor da lesão não haveria mais células cancerígenas. Passada a segunda cirurgia, ela decidiu fazer um check-up geral. Na mesma época, sentiu outra “bolinha” ao passar a mão embaixo do queixo. A médica indicou uma ressonância magnética que durou 2 horas e meia.

    “Aí eu vim para São Paulo e fiz uma cirurgia e depois veio a notícia: ‘Você vai passar por uma rádio e uma químio’. Ao mesmo tempo, aí começou uma guerra nuclear.” Ela passou por cinco sessões de quimioterapia e mais trinta sessões de radioterapia.

    “Na primeira semana que eu tomei a quimio meu corpo tava ainda forte, eu reagi bem. Na segunda semana, eu fui ao chão. Um cansaço extremo, desânimo…”. Ela contou só ter recobrado as baterias quando voltou à sua casa, no Rio de Janeiro.


    A atriz ainda revelou que sua rede de apoio teve fundamental importância para que ela recuperasse as forças e o ânimo. “Eu não tenho amigos, eu tenho anjos”, declarou-se. “Não é nem o que te acontece, é teu olhar em relação ao que está te acontecendo, é isso que muda, quando você decide ver a beleza…” Neste instante, Heloísa não contém as lágrimas. Ela garante que sua fé foi muito importante durante o tratamento. “Tive altos e baixos, um carrossel de emoções, mas o meu carro-chefe foi a minha fé. E eu optei pela vida, eu sempre optei pela vida“.

    Perissé também contou que, com o fim do tratamento, mudou a forma de levar seu cotidiano. “Hoje em dia eu tenho vontade de viver com muito mais delicadeza do que eu já vivi até então. Eu acho que quando a gente começa a ter mais delicadeza com a gente, a ter mais acolhimento, consequentemente a gente começa a fazer isso com os outros. O meu bordão desse momento — que todo comediante tem um bordão — Nada pedir e muito agradecer. Só agradecimento“, finalizou.

    Com informações de Veja São Paulo
    CONTI OUTRA
  • “Uma tragédia absoluta”: mais de 300 coalas estão morrendo nos incêndios florestais da Austrália

    Centenas de coalas perderam suas vidas nos atuais incêndios florestais que estão ocorrendo em seu habitat principal, a costa leste da Austrália.

    A presidente do Hospital Port Macquarie Koala, Sue Ashton, disse esperar que os voluntários criadores de animais selvagens comecem a procurar sobreviventes na área do incêndio que se iniciou na quinta-feira (07/11), segundo a revista Time.

    O incêndio começou com um raio em uma floresta no estado de Nova Gales do Sul, a 300 quilômetros ao norte de Sydney, e desde então dois mil hectares foram queimados. Dois terços dessa área eram habitats de coalas, disse Ashton.

    Em conversa com o The Guardian, Sue Ashton disse que “a floresta ainda está queimando e os voluntários não poderão acessá-la até sábado. A partir de nossa análise de dados e, com base em uma taxa de mortalidade de 60%, provavelmente perderemos cerca de 350 coalas. É uma tragédia absoluta.”

    “Esperamos que não seja tão ruim assim, mas por causa da intensidade do fogo e de como os coalas se comportam durante um incêndio, não têm muita esperança”, acrescentou.

    Os coalas escalam árvores durante incêndios florestais e sobrevivem se a frente de incêndio passar rapidamente sob eles.

    O coala já está listado como uma espécie em risco de extinção, sendo ameaçada pela urbanização e destruição de seu habitat, os incêndios foram um grande golpe.

    “É uma tragédia nacional porque é uma população de coalas geneticamente diversa, eles são muito mais adaptáveis à mudança e suas linhagens são muito boas e fortes, por isso são excelentes candidatos à pesquisa e reprodução”, disse Ashton.

    Os cuidadores de animais do Hospital de Coalas estão tratando de alguns coalas resgatados, enfaixando suas feridas e alimentando-os com folhas de eucalipto e fórmula. Eles estimam que ao menos 10 dias são necessários para se avaliar todos os danos à população de coalas.
    Com informações de UPSOCL
  • Estudantes desenvolvem novo jogo que ajuda pessoas com dislexia

    A Dislexia é considerada um transtorno de aprendizagem de origem neurobiológica, caracterizada pela dificuldade no reconhecimento preciso e/ou fluente da palavra, na habilidade de decodificação e em soletração. Assim, pode dificultar os processos de leitura e escrita.


    Foi pensando nisso que dois estudantes do curso técnico integrado em Informática do Campus Ponta Porã do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) criaram um jogo digital, o “Pequenos Viajantes”, com o objetivo de facilitar o processo de aprendizagem da escrita e da leitura para pessoas com dislexia usando tecnologia.

    Desde o inicio de sua criação, há um ano o projeto já foi apresentado na Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências de MS (Fetec); no Simpósio Brasileiro sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais, em Vitória (ES); e na Experiência Beta, em Porto Alegre (RS).

    Em um desses eventos realizados no Sul do país, o “Pequenos Viajantes” foi selecionado para a próxima edição de umas das feiras científicas mais importantes do país, a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace).

    O projeto do jogo foi desenvolvido como trabalho de conclusão de curso dos estudantes Renato de Almeida, diagnosticado com dislexia, e Rodrigo da Silva, ambos alunos do último semestre do técnico em Informática, orientados pelas professoras Esteic Janaína Batista e Kenia Oliveira.

    A ideia para o jogo surgiu devido à importância do tema e das poucas ferramentas para auxílio no processo de ensino-aprendizagem para pessoas com dislexia.

    O “Pequenos Viajantes” propõe desafios diversificados. Um personagem principal guia a criança por vários locais do mundo na resolução de problemas, prevendo a concessão de pontos que poderão ser convertidos em recompensas para customização do personagem. O jogo se destina a web e sistema Android, auxiliando no desenvolvimento da escrita e leitura de crianças com dislexia de forma interativa e divertida.

    “Quando vamos escrever a palavra copo, por exemplo, imaginamos o objeto e daí escrevemos. Esse tipo de conexão é um pouco diferente para as crianças disléxicas, por isso a ideia de criar o jogo. Para ficar mais interessante, o jogo tem fases ou capítulos, que se passam em diferentes continentes. O usuário pode escolher o país que ele quer visitar”, explica Esteic.

    “É um jogo de plataforma com obstáculos e cenários de diferentes países. Quando o usuário chega ao final do capítulo, ele tem um desafio que vai trabalhar com a escrita e a leitura, associando palavra e imagem”, complementa a orientadora.

    Os alunos ainda terão o cuidado de entrevistar profissionais fonoaudiólogos e psicopedagogos, afinal visam disponibilizar o jogo para as escolas públicas e privadas, nas quais qualquer criança pode jogar e aproveitar da plataforma educativa.

    O “Pequeno Viajantes” visa sobretudo combater o preconceito. “As crianças geralmente não têm diagnóstico em sala de aula e a dislexia passa despercebida pelos professores. Isso faz com que esses alunos sejam vistos como preguiçosos, por isso é tão importante reconhecer o problema”, finaliza Esteic.

    Com informações de IFMS
    CONTI OUTRA
  • Fale conosco

    Para entrar em contato com o Humaniza Mundo envie-nos e-mail para: humanizamundo@gmail.com ou clique ao lado para obter informações e suporte.