• Conheça as principais dúvidas sobre calvície masculina

    Resultado de imagem para calvice masculina
    Imagem: A folha Hoje
    Cerca de 42 milhões de brasileiros sofrem com a calvície

    A calvície afeta cerca de metade dos homens até os 50 anos de idade, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso acontece com grande contribuição da genética, ou seja, se já existem casos na família em que os pais ou avós, por exemplo, são calvos, outras gerações podem passar pelo mesmo processo, porém, é importante entender que a hereditariedade contribui muito, mas nem sempre é um fator determinante.

    Um dado divulgado pela Sociedade Brasileira do Cabelo no segundo semestre deste ano, mostra que cerca de 42 milhões de brasileiros sofrem com a calvície, dentro deste contexto, um número que chamou bastante atenção foi a quantidade de jovens com idade entre 20 e 25 anos que estão sofrendo com a queda de fios. Nessa faixa etária, 25% das pessoas são afetadas com a perda de cabelo, estimulados por problemas emocionais e genéticos.

    Como detectar se meu cabelo está caindo mais do que deveria?
     Em homens os primeiros sinais surgem na área frontal ou superior da cabeça. É perceptível o formato M na parte frontal, conhecido como "entradas" mais acentuadas nessa região. Além dessas regiões afetadas é possível notar o afinamento dos fios. A queda em forma de coroa (na parte superior da cabeça) também pode surgir. Hoje o paciente consegue ver com evidência os sinais da calvície por meio das fotos (selfie) o que facilita na busca por tratamentos ou implantes em estado inicial da queda capilar. 

    Quais as principais causas da calvície masculina? Como cada uma das causas provoca a queda?
     Por questões hormonais. Os homens possuem uma quantidade maior de hormônios masculinos, principalmente a testosterona. A princípio os fios ficam com aspecto ralo, apresentando um afinamento progressivo e a posterior queda. Os folículos capilares masculinos têm mais avidez pelo hormônio DHT que provoca a queda dos fios, consequentemente a incidência de calvície é maior.

     Porque os homens têm mais pré-disposição a calvície?
     A principal causa de calvície masculina é a alopecia androgenética, que é uma predisposição genética associada a um componente hormonal.
      
    Há como evitar ou retardar a calvície?
     Quando detectada no início a calvície pode ser retardada ou mesmo interrompida com o uso de medicações como vasodilatadores e bloqueadores hormonais, onde já existe a calvície somente o transplante capilar pode resolver, porém nas áreas onde só existe um afinamento dos fios, o processo pode ser retardado ou revertido.
      
    A técnica mais usada é o micro transplante de fio a fio?
    A técnica mais usada hoje é a FUE (Follicular Unit Extraction), em português (Extração de Unidades Foliculares). O procedimento consiste na remoção fio a fio diretamente da área doadora. Entre as vantagens podemos citar é a ausência de incisão (corte), sendo assim, não possui cicatriz.

    Quem pode fazer?
    O transplante capilar é indicado a todos que possuem calvície, seja homem ou mulher, desde que haja uma boa área doadora.
      
    Passo a passo (desde anestesia até a sutura)
    O transplante capilar é realizado da seguinte forma: primeiramente o paciente é encaminhado ao centro cirúrgico já com a área doadora e a área receptora previamente marcada, com o desenho da linha frontal já realizado. O paciente vai ficar de barriga para baixo na maca, devidamente monitorado o tempo todo durante a cirurgia, e vai receber uma anestesia local nesta região doadora. No caso da Técnica FUT, vai ser retirada uma faixa de couro cabeludo que tem em média uma largura   de 1 a 2 centímetros e o cumprimento é variável em relação a circunferência da cabeça do paciente, mas geralmente ela vai da região da orelha esquerda até a direita. Posteriormente é realizada uma sutura que difere um pouco das suturas convencionais, ela é feita de uma forma para que no meio da cicatriz nasçam fios de cabelo no futuro, diminuindo um pouco a percepção da cicatriz, e assim ela fica coberta pelos fios remanescentes na parte de cima e de baixo, além de ter fios no meio da cicatriz.

    Após isso o paciente é virado de barriga para cima, e recebe a anestesia local na área receptora, que é a área de calvície. Nós implantamos unidades foliculares uma a uma, seguindo um padrão de distribuição que é semelhante a de um couro cabeludo normal, sem calvície, ou seja, a linha frontal que será a nova frente do paciente irá receber unidades foliculares somente de um fio, distribuídas de uma forma irregular, mas um irregular já programado para que tenha sutileza e naturalidade no começo desta linha frontal. Posterior a esta linha, nós faremos uma área de alta densidade com unidades de dois fios, reconstruiremos o topete, que é a região central, com unidades de dois a três fios de cabelo e iremos distribuindo as unidades maiores, de três e quatro fios, conforme vamos percorrendo o escalpe em direção à coroa.
    Uma vez terminado este processo, o transplante capilar está completo e o paciente irá receber um pequeno curativo, uma faixa pegando somente a região doadora, então os fios transplantados não receberão curativo nenhum e no outro dia o paciente retorna à clínica para a remoção deste curativo da área doadora e também para fazer a primeira lavagem deste couro cabeludo com a equipe, que vai demonstrar como ele deve realizar estas próximas lavagens, mesmo sendo um processo bem simples. O paciente será medicado para que não haja dor, porém, este é um procedimento extremamente tranquilo do ponto de vista da dor e geralmente no segundo dia do pós-operatório o paciente já está sem dor, mesmo na ausência do uso de medicações.

    Nos próximos três meses vai haver a queda do fio de cabelo, ficando somente o bulbo capilar inserido ali no couro cabeludo. Após estes 90 dias é que se iniciará este crescimento dos fios, com a média de um centímetro ao mês, sendo que em seis meses nós vamos ter em média 40 a 50% dos fios já crescendo, e nos nove meses 80% das unidades foliculares já geraram um novo fio e existe uma diferença muito grande em relação à calvície. Com 12 meses já temos a totalidade das unidades com seus fios formados, preenchendo a área de calvície do paciente.

    Quantas sessões são indicadas e intervalo entre elas
    O número de sessões vai depender do grau de calvície e da qualidade área doadora, em calvícies iniciais ou médias geralmente uma sessão é suficiente. Com as técnicas combinadas que utilizamos hoje em dia podemos fazer 2 cirurgias em dias consecutivos e com isso o paciente não necessita mais aguardar entre uma sessão e outra que anteriormente eram necessários 1 ano de intervalo entre uma e outra cirurgia.

    Qual o resultado e quando aparece?
    Nos próximos três meses vai haver a queda do fio de cabelo, ficando somente o bulbo capilar inserido ali no couro cabeludo. Após estes 90 dias é que se iniciará este crescimento dos fios, com a média de um centímetro ao mês, sendo que em seis meses nós vamos ter em média 40 a 50% dos fios já crescendo, e nos nove meses 80% das unidades foliculares já geraram um novo fio e existe uma diferença muito grande em relação à calvície. Com 12 meses já temos a totalidade das unidades com seus fios formados, preenchendo a área de calvície do paciente.

     Como é a manutenção? É necessária?
    Como trata-se de cabelo do próprio paciente, nenhuma manutenção é necessária além dos cuidados normais que temos com os cabelos.

    Quais cuidados devo ter com os fios no pós-cirúrgico?
    Os principais cuidados que o paciente deve ter no pós-operatório são principalmente em relação à higiene do local, a lavagem. Nós solicitamos que o paciente não entre direto na ducha, pelo menos nos primeiros sete dias, que ele utilize uma duchinha ou recipiente plástico para jogar água na cabeça e fazer lavagens diárias do couro cabeludo. Após o sexto dia, nós indicamos ao paciente a utilização de um óleo, para que as crostinhas que são formadas comecem a se desprender. Pedimos ao paciente que fez a cirurgia com a técnica FUT, que é a técnica que retira a faixa do couro cabeludo e tem sutura, que ele evite musculação e esporte de contato por 30 dias. E no caso da técnica FUE (fio a fio), o paciente pode voltar a musculação em sete dias, em ambas as técnicas nós autorizamos a realização de atividades aeróbicas após o sétimo dia, mas sempre pedimos que o paciente evite exposições solares, piscina, praia, por no mínimo sete dias também.

     Não ficará textura diferente? Posso tingi-los normalmente?
    Por tratar-se dos cabelos do próprio indivíduo sendo transplantados, não haverá diferença entre os fios, e após 1 mês a tonalização já está liberada.
    Dr. Thiago Bianco, médico expert em transplantes capilares considerado um dos pioneiros a realizar a técnica de implante microfolicular guiado por vídeo. Dr. Thiago Bianco foi graduado em Medicina em 2006, e especializou-se em cirurgia geral e trauma, além de direcionar sua carreira para a área de implante capilar. Membro titular da ISHRS (International Society of Hair Restoration Surgery), atualmente realiza um trabalho pioneiro com as técnicas de FUT (Follicular Unit Transplant) e FUE (Follicular Unit Extraction) para o transplante capilar de barba e de sobrancelha. Site: https://www.thiagobianco.com.br
  • Fale conosco

    Para entrar em contato com o Humaniza Mundo envie-nos e-mail para: humanizamundo@gmail.com ou clique ao lado para obter informações e suporte.