• Startup científica inova com remédio digital capaz de tratar dor



    Editor Local: Willen Benigno de Oliveira Moura

    Bright Photomedicine surgiu como prolongamento de doutorado na USP e trabalha com efeito terapêutico da luz.

    Startups – Ilustração: Divulgação/LinkedIn Corporation

    A Bright Photomedicine, startup brasileira que desenvolveu um remédio digital capaz de tratar a dor, acaba de captar R$ 1,5 milhão de plataforma de investimento on-line do País. Hoje a Saúde 4.0 prevê a digitalização de dados, interconectividade entre máquinas e comandos, bancos de dados mais eficientes e, principalmente, maior autonomia dos pacientes em relação à própria saúde. Com o uso da tecnologia na fotomedicina, é possível controlar a dose e o tipo de luz exata para cada paciente. O efeito terapêutico acontece devido a reações fotoquímicas com as enzimas das células, deixando-as novamente saudáveis. O Jornal da USP no Ar conversou com Marcelo Souza, fundador da startup e ex-aluno do Instituto de Física (IF) da USP, grande vencedor do programa de aceleração da Startup Farm em 2015.

    Souza conta que a empresa surgiu como uma continuação de seu doutorado. “No Instituto de Física da USP e na Escola de Medicina de Harvard, eu descobri o fenômeno de fotoneuromodulação. Eu o estudei e descobri alguns mecanismos de ação, como o bloqueio de sinalização de dor.” Esse bloqueio faz com que os neurônios passem a conduzir menos a sensação de dor, tendo um efeito analgésico sem efeitos colaterais por utilizar apenas a luz. “Não há necessidade de outros meios.”

    Após essa fase inicial, o empreendedor começou a trabalhar no desenvolvimento de equipamentos e tecnologia para a terapia, por exemplo, a digitalização do processo de fotoneuromodulação. “Basicamente, são algoritmos computacionais que nos permitem calcular qual a melhor dose para cada tipo de doença, levando em consideração as características do paciente”, explica. Portanto, trata-se de personalizar a terapia e fazer com que a distribuição de remédios digitais aconteça no mundo virtual, tornando a tecnologia mais acessível. “Todo mundo envolvido nesse ecossistema de saúde se beneficia da digitalização, porque torna tudo mais fácil, acessível”, afirma Souza.

    A empresa surgiu em 2015. De acordo com o empreendedor, dois momentos extremamente importantes na história da Bright foram a conquista de uma Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) e agora esse grande salto de investidores privados. “No começo foi na raça, mas depois fui conseguindo conquistar sócios e parceiros muito mais experientes.” Para ele, existem modelos a serem seguidos, que maximizam as chances do negócio ser bem-sucedido e minimizam as perdas dos erros.

    Souza também afirma que o apoio da USP e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), somado ao estudo, foi muito importante. De acordo com ele, ser uma startup de base científica significa que nossa matéria-prima é o conhecimento, a ciência. “A gente partiu de um conhecimento científico muito específico, muito escuro, de base, que é o da interação da luz com sistemas biológicos, e desenvolveu uma tecnologia.”

    Na opinião do pesquisador, a Universidade é um polo de empreendedorismo e inovação. “Se as pessoas com doutorado, com mestrado e que estudaram durante anos no ensino superior não estiverem à vontade para criar empresas com base científica e tecnológica, quem mais vai estar?” Ele comenta que algumas das empresas que valem mais de um bilhão de reais, as chamadas unicórnios, são de uspianos ou ex-uspianos. “A questão é que a Universidade tem uma concentração necessária de conhecimento, de pessoas qualificadas para se juntarem e resolverem um grande problema.”

    A empresa está trabalhando em um ensaio clínico em osteoartrite de joelho no Hospital das Clínicas (HC) da USP. “A gente está conseguindo uma diminuição de dor significativa em casos de pacientes que não haviam obtido melhora anteriormente.” Os resultados científicos serão publicados em periódicos internacionais ainda este ano. O estudo também quantifica substâncias pós-inflamatórias e alguns analgésicos endógenos, buscando intermediar esses remédios convencionais. Para mais informações sobre a Bright Photomedicine, acesse https://www.brightmed.com.br/.

    Por Caroline Aragaki - Jornal da USP
  • Fale conosco

    Para entrar em contato com o Humaniza Mundo envie-nos e-mail para: humanizamundo@gmail.com ou clique ao lado para obter informações e suporte.